mct mpeg
Get Adobe Flash player

     

    Novidades da Amazônia Oriental

    A rede do Programa de Pesquisas em Biodiversidade - PPBio aponta três novas ocorrências de peixes na região da Amazônia Maranhense e investiga a variedade em 3 ecorregiões do estado

     

    Agência Museu Goeldi – Pesquisadores do Programa de Pesquisa em Biodiversidade – PPBio Amazônia Oriental apresentam na 64ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC os resultados obtidos em estudos desenvolvidos na porção amazônica do Maranhão, principalmente na Reserva Biológica do Gurupi, onde está localizado o sítio de pesquisa do programa.

    Peixes no Maranhão – Dentre os resultados a ser apresentados na SBPC, que acontece em São Luis, no Maranhão, durante o período de 22 a 27 de julho, esta a descoberta de três novas ocorrências de peixes no Estado: Gymnocorymbus sp., Batrochoglanis sp. e Microglanis sp. Os exemplares, que pertencem a três espécies encontradas na América do Sul, foram coletados em igarapés do Rio Gurupi, dentro da Reserva Biológica, e, até então, sua ocorrência não tinha sido registrada para o estado.

    Segundo o pesquisador Nivaldo Piorski, coordenador do estudo de peixes do Núcleo Regional do Maranhão e professor da UFMA, existem pesquisas recentes que apontam uma grande variedade de populações ictiológicas nos rios que compõem as três ecorregiões localizadas no Estado do Maranhão (estuário do Amazonas, área de fronteira Maranhão-Piauí e Tocantins-Araguaia).  E uma das hipóteses que pode comprovar ou não essa variação é a da dispersão dos peixes pela costa maranhense. Neste sentido, o Rio Gurupi é uma importante área de transição entre a bacia hidrográfica do Tocantins e as demais bacias que compõem o Estado, abrigando uma grande diversidade de espécies provenientes de diferentes ambientes costeiros.

    Segundo Piorski, a biodiversidade de peixes e invertebrados aquáticos no rio Gurupi ainda é pouco amostrada. Para preencher esta lacuna de informação, o PPBio vem realizando coletas intensas nos últimos anos a fim de identificar as espécies e contribuir na preservação da Reserva Biológica, que é o último fragmento florestal do Maranhão. No âmbito do Programa, o conhecimento sobre a biodiversidade da ictiofauna maranhense representa um passo para a melhor compreensão da distribuição de peixes na Amazônia.

    Amazônia Maranhense – Quem visitar a ExpoT&C, mostra organizada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) durante a Reunião Anual da SBPC, terá oportunidade de conhecer a mais recente publicação do PPBio Amazônia Oriental. Levantamentos realizados nas Terras Indígenas do Alto Turiaçu, Awa e Caru, na Rebio Gurupi e na área costeira do Maranhão podem ser encontrados no livro “Amazônia Maranhense: diversidade e conservação”, organizado pelos pesquisadores Marlúcia Martins (MPEG/PPBio) e Tadeu de Oliveira (UEMA/PPBio) com a colaboração do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA e do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade – ICMBio. O objetivo da publicação apresenta a diversidade biológica e os problemas ambientais que ocorrem nos remanescentes do bioma Amazônia no Maranhão. Acesse aqui a versão online do livro.

    PPBio Amazônia Oriental - É uma das três Redes que compõem o Programa de Pesquisa em Biodiversidade criado em 2003 pelo Ministério da Ciência,Tecnologia e informação. A Rede da Amazônia Oriental, junto com o PPBio Amazônia Ocidental e o PPBio Semiárido atua na construção de conhecimento científico, integração de dados e formação de recursos humanos para pesquisa em biodiversidade. A Rede da Amazônia Oriental, coordenada pela pesquisadora Dra. Marlúcia Martins (zoóloga do MPEG), é composta por seis Núcleos Regionais – Leste Paraense, Amapá, Mato Grosso, Tocantins, Oeste do Pará e Maranhão – cada um desses Núcleos estabeleceu sítios de pesquisa em unidades de conservação.

    Em julho deste ano o PPBio Amazônia Oriental realizou seu V Seminário Científico na cidade de Macapá – AP, com o tema “Contribuição da pesquisa científica em biodiversidade para a melhoria da qualidade de vida na Amazônia”. O objetivo dos seminários é integrar as pesquisas realizadas nos seis núcleos regionais. O intercâmbio de dados permite que a Rede possa melhorar a qualidade das pesquisas e auxiliar na construção de políticas públicas para a conservação da biodiversidade.


    Veja o vídeo “A rede do PPBio Amazônia Oriental” no Canal do Museu Goeldi no Youtube.

    Expo T&C – De 22 a 27 de julho o Museu Goeldi estará participando do evento que acontece paralelamente à 64ª Reunião da SBPC. A exposição Amazônia Desconhecida vai apresentar, além dos resultados do PPBio, o projeto Censo da Biodiversidade, lançado em maio deste ano no âmbito do Programa de Biodiversidade da Amazônia. O Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia – INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia também estará presente na mostra com ações do projeto Escola da Biodiversidade Amazônica – Ebio. No estande do Museu Goeldi serão apresentandos vídeos, jogos e material didático sobre a região amazônica. Para mais informações sobre a Expo T&C acesse o site da SBPC 2012.

    Texto: Paola Caracciolo