mct mpeg
Get Adobe Flash player

     

    Prêmio Márcio Ayres divulga finalistas da 5ª edição

     

    Pesquisadores e educadores selecionaram seis pesquisas classificadas para a última etapa do concurso voltado para estudantes do ensino fundamental e médio

     

    Agência Museu Goeldi - O Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) e a organização não-governamental Conservação Internacional (CI-Brasil) anunciam os finalistas da quinta edição do Prêmio José Márcio Ayres para Jovens Naturalistas, destinado a estudantes do Estado do Pará matriculados nos níveis de ensino Fundamental e Médio. Duas pesquisas do ensino fundamental e quatro do ensino médio foram classificadas entre os trabalhos inscritos no Prêmio, cujo prazo para inscrição encerrou no dia 30 de outubro. São todas pesquisas individuais que tem como foco a diversidade biológica da Amazônia, desenvolvidas em Belém, Igarapé-Miri, São Domingos do Capim e Marajó. É a primeira vez que na disputa pelo Prêmio concorrem apenas escolas do sistema público de ensino.

    Entre os alunos do ensino médio estão classificados os alunos:


    Janilce Batista, do 3º ano,com o trabalho “A mandioca e o sistema de engorda de peixes em São domingos do Capim”. Ela concorre pela escola E.E.E.F.M. Augusto Meira e conta a orientação da professora Edna Gualberto. 

    André Paiva, do 2º ano, com o trabalho “Estudo sobre abelhas sem ferrão amazônicas”. Ele concorre pelo colégio E.E.F.M. Tenente Rego Barros e conta com a orientação do professor Francisco Melo.

    Carmen Nascimento, do 1º ano, com o trabalho “Artrópodes no Ambiente escolar em área urbana de Belém- Pará”. Ela concorre pela escola E.E.E.M. Prof.ªAlbanízia de Oliveira Lima e conta com a orientação do professor Cide Filho.

    Railson dos Santos, do 1º ano, com o trabalho “Dicionário ilustrado semi-sistemático da botânica do açaí”. Ele concorre pelo colégio E.E. Enedina Sampaio de Melo e conta com a orientação da professora Alderona Gonçalves.

    Entre os alunos de ensino fundamental, os finalistas foram:


    André Tavares, da 8ª série, com o trabalho “Arara azul: em processo avançado de extinção”. Ele concorre pelo colégio E.E.E.M. Vilhena Alves e conta com a orientação das professoras Cacilda Silva e Márcia.

    Bryan Bradbury, da 7ª série, com o trabalho “A Importância Ecológica das Relações Interespecíficas em Rosetas de Bromélias”. Ele concorre pelo colégio E.E.F.M. José Maria de Moraes e conta com a orientação da professora Denilce dos Santos.

    Erick Bradbury, da 8ª série, com o trabalho “Unidos Para Vencer: uma análise da evolução adaptativa das Bromélias”. Ele concorre pelo colégio E.E.F.M. José Maria de Moraes e conta com a orientação do professor Roger Bradbury.dos Santos.

    Nesta edição, diversos trabalhos foram desclassificados ao terem sido entregues fora do prazo, por não estarem acompanhados da documentação solicitada ou ainda pela pesquisa não estar relacionado a temática do concurso – a biodiversidade amazônica. 

    Criado em 2003, o Prêmio é fruto da parceria entre o Museu Paraense Emílio Goeldi e a Conservação Internacional do Brasil. Em sua quinta edição, conta com o apoio do projeto Escola da Biodiversidade Amazônica – Ebio, subprojeto do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia.

    Mais que um concurso, esta iniciativa é um processo educativo que incentiva os estudantes a investigarem a Biodiversidade Amazônica, com o objetivo de ampliar a divulgação e a discussão deste assunto nas escolas da rede pública e privada.  

    Premiação - Os prêmios a ser entregues são notebooks (primeiro lugar), máquina fotográfica digital (segundo lugar) e bicicleta (terceiro lugar). Além disso, haverá premiações para os professores orientadores (notebooks), para as escolas com melhores desempenhos (kit de publicações) e os municípios com mais capacidade de mobilização.

    Os apoiadores do Prêmio Márcio Ayres incluem o Jornal O Liberal, a Fundação de Telecomunicações do Pará (Funtelpa), a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), a Fundação Amazônia Paraense (Fapespa), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI).  

    Os finalistas da 5ª edição estarão no Parque do Museu Goeldi no dia 3 de dezembro de 2012, quando ocorre a avaliação oral, última etapa do Prêmio. Os vencedores serão anunciados no dia seguinte na cerimônia de encerramento da 5ª edição, no dia 4 de dezembro de 2012.

    Serviço: 5ª Edição do Prêmio Márcio Ayres para Jovens Naturalistas. Tema Biodiversidade Amazônica. Mais informações no site do Prêmio, pelos telefones (91) 31823216/31823217 ou pelo e-mail    Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.


    CALENDÁRIO DE AVALIAÇÃO DO PJMA

    Avaliação oral: 03/12/12
    Premiação: 04/12/12

    Texto: Fernando Cabezas