mct mpeg
Get Adobe Flash player

    Serviços Ecossistêmicos das Paisagens Agrosilvipastoris da Amazônia Oriental

    Coordenação e Equipe |  Publicações

     

    Resumo do Sub-Projeto

    A necessidade de informações sobre os recursos naturais amazônicos se torna primordial e crescente, principalmente no que tange a criação e o andamento de políticas públicas e investimentos de empresas privadas para o uso sustentável dessas riquezas, os estudos focalizam a eficiência produtiva e impactos socioambientais dos diferentes processos de agricultura.

    A AMAZ – Serviços Ecossistêmicos e Sustentabilidade das Paisagens Agrossilvipastoris da Amazônia Oriental com apoio técnico e financeiro do INCT, realizou e fortaleceu pesquisas em três sítios na região paraense do Arco do Desmatamento: Projeto de Assentamento Agroextrativista em Nova Ipixuna; Travessão da Rodovia Transamazônica, em Pacajá; Projeto de Assentamento Palmares II em Parauapebas.

    Considerando os princípios conceituais de cada área e as metodologias utilizadas, esse subprojeto pode ter as suas atividades distribuídas entre seis temas: 1) Socioeconomia e políticas públicas, 2) Paisagens, 3) Biodiversidade e biomassa, 4) Serviços Ecossistêmicos, 5) Modelagem, 6) Troca de Saberes.

    Socioeconomia e políticas públicas

    Os estudos sobre as diferentes realidades abordadas, nas três localidades pesquisadas, geraram resultados referentes à influência e aos efeitos produzidos sobre tais, por fatores como: o ciclo de vida das frentes pioneiras amazônicas; a origem das famílias; o processo de colonização; os sistemas agrários; as características das populações locais e os indicadores de qualidade de vida. Esses estudos também apontaram outras decisões governamentais necessárias ao desenvolvimento rural da região com bases mais sustentáveis socialmente e do ponto de vista econômico e ambiental.

    Paisagem

    Com o objetivo de qualificar e quantificar as atividades agrícolas na Amazônia nos últimos 20 anos, o subprojeto analisou geograficamente as paisagens amazônicas por meio de imagens de satélites das três áreas de estudo, selecionando então vários indicadores sintéticos usados para criar cronossequências das mudanças de paisagem no período de 1990 a 2007. A análise permitiu incorporar ao projeto tanto a dinâmica da ocupação do solo quanto a estrutura da paisagem.

    Biodiversidade e Biomassa

    As discussões por especialistas, técnicos e gestores públicos que objetivam a redução de impactos nas mudanças climáticas e maior valor nos serviços prestados pela floresta tendem a mostrar a necessidade de se definir métodos para entender o comportamento das espécies vegetais ao que tange a fixação de carbono e medição da quantidade de gases do efeito estufa retidos pela biomassa.

    Os resultados apontam que os variados tipos de usos da terra geram diferentes níveis de coberturas vegetais e provocam diferenciação na quantidade de biomassa encontrada, sendo assim possível prever impactos do desmate e queima sobre as áreas de cultivo e de florestas ajudando a avaliar a qualidade e os efeitos climáticos e ecológicos produzidos por diferentes atividades.

    Serviços Ecossistêmicos

    Os resultados apontam que as sucessivas mudanças no uso da terra afetam mais fortemente as variáveis químicas e morfológicas do solo do que a função de armazenar o carbono nele retido, que também não é capaz de compensar significativamente a redução substancial do estoque de carbono na biomassa lenhosa.

    No que se refere à cobertura vegetal, a quantidade de carbono de cada área está relacionada aos tipos de uso da terra e manejo florestal, que geram diferentes coberturas vegetais.

    Os serviços hídricos do solo, particularmente o processo de infiltração e o armazenamento da água, também são muito afetados nas pastagens, o que aumenta de forma considerável o risco de erosão. A vegetação secundária, quando existente, facilita a reversão das alterações nas propriedades físicas e hidrodinâmicas dessas pastagens. A queima da floresta, por sua vez, melhora a baixa fertilidade química desse tipo de solo, mas a eficiência dos processos de ciclagem de nutrientes pelo ecossistema florestal tende a explicar e resolver esse problema.

    Modelagem

    Baseado em um sistema multi-agente (SMA), um modelo foi criado para a avaliação de cenários ligados à integração Lavoura-Pecuária-Floresta nas frentes pioneiras. É possível comparar assim as diferentes estratégias de utilização do solo e os impactos de cada uma sobre o funcionamento ecossistêmico e os serviços ambientais prestados. Os resultados da avaliação permitem, entre outros objetivos, projetar situações em que são diminuídos os impactos ambientais das atividades agrícolas, com a preservação das reservas florestais e das matas ciliares, a recuperação das áreas degradadas e geração de empregos, renda e melhores condições de trabalho ao produtor rural. Complementam o trabalho duas abordagens conhecidas como “Modelagem participativa do funcionamento das propriedades agrícolas” e “Modelagem espacial das frentes pioneiras”.

    Troca de Saberes

    Existe a necessidade de articulação entre os saberes das populações locais e os produzidos por instituições formais de ensino e pesquisa, assim como a visibilidade dessas informações para gestores de políticas públicas e de práticas que permitem o uso sustentável dos recursos naturais.

    Com essa perspectiva, durante todo o projeto, o rede envolvida cumpriu a tarefa de discutir as principais questões tratadas em seu escopo, a partir de diferentes escalas e entre variados grupos, principalmente os de agricultores, pesquisadores e tomadores de decisões.

    Rede Envolvida

    As atividades apoiadas pelo INCT complementam as ações da rede AMAZ, que resulta da parceria, em âmbito internacional, entre o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (CIRAD), o Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento da França, a Universidade de Rouen e o Centro Nacional de Pesquisa Científica, todos da França; assim como, na escala regional, a Universidade Federal Rural da Amazônia, o Museu Paraense Emílio Goeldi e a Universidade Federal do Pará;

    Ao todo, 64 profissionais integram a rede de pesquisa, sendo 27 pesquisadores, 04 doutorandos, 08 mestrandos, 22 estudantes de graduação e 03 técnicos.

    Resultados

    O subprojeto apresenta 01 tese de Pós Doutorado, 04 teses de Doutorado, 08 teses de Mestrado e 09 teses de Graduação; além de 07 artigos publicados, 04 artigos “no prelo” e mais 08 trabalhos apresentados em eventos.