mct mpeg
Get Adobe Flash player

    Programa de Formação e Capacitação de Profissionais em Botânica

    Coordenadores:

    Anna Ilkiu (Museu Paraense Emilio Goeldi - MPEG) - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

    Ubiratan Santos (Museu Paraense Emilio Goeldi - MPEG) - Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

     

    Resumo do Sub-Projeto

    Existem dois cursos de pós-graduação em Botânica em toda a Amazônia atualmente: um ligado ao Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e o outro uma parceria entre a Universidade Federal Rural do Pará (UFRA) e o Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG). Apesar das contribuições fornecidas por esses programas e instituições, trata-se de um número insuficiente, ainda mais quando se fala da região de maior biodiversidade vegetal do planeta e que muito dessa variedade ainda está por ser conhecida.

    A progressão das pesquisas a respeito da flora amazônica também está em descompasso com a escalada de devastação da floresta, especialmente no chamado “Arco do Desmatamento. Dessa maneira, a extinção de muitos organismos pode chegar antes que nós saibamos sobre as suas características e funções ecológicas ou ambientais, por exemplo. Conhecimentos que podem inclusive gerar soluções para a questão da perda florestal.

    Diante desse panorama, o Curso de Mestrado em Botânica da Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA/Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG mirou a formação e a especialização endógenas como um norte de suas ações. Foi criado então, em 2009, um programa com a missão de qualificar regionalmente pessoas e buscar investimentos para a realização de estudos, equipar ou melhorar laboratórios. Com esses recursos, as aulas práticas com menor número de alunos por equipamento, análise mais detalhada do material a ser descrito nas dissertações e nas pesquisas.

    Outra meta da iniciativa é mediar o intercâmbio com outros centros de excelência nacionais onde a pesquisa avançou consideravelmente nos últimos anos, caso das Universidades de São Paulo (USP) e Estadual de Campinas (UNICAMP). Essa troca de experiências foi pensada de duas formas. Primeiramente, com a vinda de professores para ministrar cursos e palestras, orientação/co-orientação de dissertação e posteriores publicações científicas de qualidade. E também com a ida de alunos e professores para treinamento nesses centros, capacitando-os a trazer e aplicar o conhecimento adquirido na região Amazônica.

    O subprojeto 10 do INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia, Programa de Formação e Capacitação de Profissionais em Biodiversidade Amazônica, tem o foco de pesquisa em duas linhas temáticas: 1) Morfologia, Sistemática e Evolução de Plantas; e 2) Ecologia, Manejo e Conservação. Nesse escopo, atingiu, até o presente momento, avanços significativos e coerentes com os objetivos estabelecidos, como mostram as tabelas a seguir.

    Resultados obtidos durante todo o período do projeto

    Metas alcançadas

    Defesa de dissertação

    35

    Participação em eventos

    40

    Artigos publicados

    28

    Cursos e palestras realizados

    06

    Banca com participação de professores vinculados a instituições de outros estados

    16

    Trabalhos apresentados em eventos

    O intercâmbio e união com instituições de ciência, nacionais e de outros países, dedicadas ao estudo da vegetação local não acontece apenas no “Programa de Formação e Capacitação de Profissionais em Biodiversidade Amazônica”. Os demais subprojetos do INCT Biodiversidade e Uso da Terra na Amazônia também firmaram laços com pesquisadores e centros de estudo do mundo inteiro. A relação abaixo lista todos os parceiros conquistados em cinco anos de atividades:
    - Centre de coopération internationale en recherche agronomique pour le développement (FRA)
    - Centro Ambiental de Lancaster da Lancaster University (ENG)
    - Centro de Ciência do Sistema Terrestre (CCST) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)
    - Departamento de Antropologia da University of Nevada (EUA)
    - Departamento de Ciências Biológicas do Louisiana State University Museum of Natural Science (EUA)
    - Departamento de Ciências da Vida da Imperial College London (RU)
    - Departamento de Ornitologia do American Museum of Natural History (EUA)
    - Departamento de Pesca e Vida Selvagem da Univesity State of Oregon (EUA)
    - Departamento de Zoologia do Field Museum of Natural History (EUA)
    - Departamento de Zoologia da University of Cambridge (RU)
    - Departamento de Biologia da Universidade Federal de Lavras - UFLA
    - Departamento de Biologia da University of Exeter (RU)
    - Departamento de Biologia e Zoologia da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT
    - Departamento de Ciência do Solo da Universidade de São Paulo - USP
    - Escola de Ciências Biológicas da Monash University (AUS)
    - Faculdade de Ciência da University of Quensland (AUS)
    - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (POR)
    - Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará - UFPA
    - Faculdade de Design da Universidade Estadual do Pará - UEPA
    - Faculdade de História da Faculdade Integrada Brasil Amazônia - FIBRA
    - Faculdade de Música da Universidade Estadual do Pará - UEPA
    - Faculdade de Turismo da Universidade Federal do Pará - UFPA
    - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)
    - Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas da Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA
    - Programa de Planejamento Energético da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
    - Programa de Pós-Graduação em antropologia social e etonologia da École des hautes études en sciences sociales (FRA)
    - Programa de Pós-Graduação em Biologia da Universidade de São Paulo - USP
    - Programa de Pós-Graduação em Ecologia da Universidade Viçosa - UFV
    - Programa de Pós-Graduação em Biologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA
    - Programa de Pós-Graduação em Botânica da Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA/Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG
    - Programa de Pós-Graduação em Ciências Agrárias da Universidade Federal Rural da Amazônia - UFRA
    - Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais da Universidade Federal do Pará - UFPA/ Embrapa Amazônia Oriental/Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG
    - Programa de Pós-Graduação em Ciências do Solo da Universidade de São Paulo - USP
    - Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Pará - UFPA/Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG
    - Programa de Pós Graduação em Ecologia Aplicada da Universidade Federal de Lavras - UFLA
    - Programa de Pós-graduação em Ecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
    - Programa de Pós Graduação em Ecologia da University of Lancaster (ENG)
    - Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia da Universidade Federal do Pará - UFPA
    - Programa de Pós-graduação em Recursos Naturais da Univsersidade Federal de Roraima - UFRR
    - Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Pará - UFPA
    - Programa de Pós Graduação em Zoologia da Universidade Federal do Pará - UFPA/Museu Paraense Emílio Goeldi – MPEG